Arquivos do Blog

Rayuela – “Amarelinha”

A música que simplesmente não sai mais da minha cabeça tem um clip muito gracinha: um casalsinho arrasando no tango. E o ritmo, a letra, são o máximo.

(confesso que rolou uma inveja da menina que deve ter pouco mais da metade da minha idade e já dá uma aula de tango)

APROVECHALO

Un, dos, tres, cuatro:
¡Tierra, Cielo!
Cinco, seis:
¡Paraíso, Infierno!
Siete, ocho, nueve, diez:
Hay que saber mover los pies.
En la rayuela, o en la vida
vos podes elegir un día.
¿Por que costado, de que lado saltarás?

…me basta cerrar los ojos para deshacerlo todo y recomenzar.

…exactamente con tu boca que sonríe por debajo de la que mi mano te dibuja.

… yo te siento temblar contra mí como una luna en el agua.

 

Hay milonga de amor…

Continuando o post de algumas semanas atrás. Falei aqui do tango de Dança Comigo (Richard Gere e J. Lo).

Achei o video e a banda daquela cena e achei incrível.

A música é grande, mas tem uma progressão contagiante e  o clip é interessante.

Hay milonga de amor
hay temblor de gotán
este tango es para vos

Espero que gostem.

Quer dançar?

Com a notícia de uma possível temporada na terra do tango, a inspiração dessa semana vem da Argentina.

Para quem gosta de de filmes de dança e/ou tango, aqui vão, na minha opinião, as cenas clássicas da dança no cinema. Vale a pena ver. 😉

Vem Dançar – com Antônio Banderas

Dança Comigo – com Richard Gere e Jennifer Lopez

(e a cena que me encantou quando criança e fez eu me apaixonar pela Argentina):

Perfume de Mulher – com Al Pacino

E aí, gostaram?

Esqueci de algum que vocês acham que deveria estar aqui? Aceito sugestões.

Abraços

¡Hasta!

Estação Rosa – Tango: Cambalache

Simplesmente adoro essa música. Mesmo pra quem não gosta de tango recomendo ouvir. Ao menos pela letra, que é uma crítica imensa à sociedade. Vale a pena refletir nos versos. Hasta!

Cambalache

Composição : Enrique Santos Discépolo

Que el mundo fue y será una porquería, ya lo sé,
en el quinientos seis y en el dos mil también;
que siempre ha habido chorros,
maquiávelos y estafáos,
contentos y amargaos, valores y dublé.
Pero que el siglo veinte es un despliegue
de maldá insolente ya no hay quien lo niegue,
vivimos revolcaos en un merengue
y en el mismo lodo todos manoseaos.

Hoy resulta que es lo mismo ser derecho que traidor,
ignorante, sabio, chorro, generoso, estafador.
¡Todo es igual, nada es mejor,
lo mismo un burro que un gran profesor!
No hay aplazaos ni escalafón,
los inmorales nos han igualao…
Si uno vive en la impostura
y otro roba en su ambición,
da lo mismo que sea cura,
colchonero, rey de bastos,
caradura o polizón.

¡Qué falta de respeto, qué atropello a la razón!
¡Cualquiera es un señor, cualquiera es un ladrón!
Mezclaos con Stavisky van don Bosco y la Mignon,
don Chicho y Napoleón, Carnera y San Martín.
Igual que en la vidriera irrespetuosa
de los cambalaches se ha mezclao la vida,
y herida por un sable sin remache
ves llorar la Biblia contra un bandoneon.

Siglo veinte, cambalache, problemático y febril,
el que no llora no mama y el que no roba es un gil.
¡Dale nomás, dale que va,
que allá en el horno te vamo a encontrar!
¡No pienses más, tirate a un lao,
que a nadie importa si naciste honrao!
Si es lo mismo el que labura
noche y día como un buey
que el que vive de las minas,
que el que mata o el que cura
o está fuera de la ley.

Tradução

Que o mundo foi e será uma porcaria, eu já sei
Em 506 e no ano 2000 também;
Que sempre houve ladrões,
Traidores e aproveitadores,
Felizes e amargurados, valores e morais.
Mas que o século XX é uma exposição
De maldade insolente, já não há quem negue,
Vivemos misturados em um merengue
E na mesma lama todos manuseados.
Hoje acontece que é o mesmo ser correto ou traidor
Ignorante, sábio, mão-leve, generoso,vigarista.
Tudo é igual, nada é melhor
O mesmo burro e um grande professor!
Sem enrolação nem reclamações,
Os imorais nos igualaram …
Se alguém vive na impostura
E outro rouba em sua ambição
Dá na mesma que seja padre,
Preguiçoso, capanga,
Cara-de-pau ou um clandestino.
Que falta de respeito, que afronta a razão!
Qualquer um é um cavalheiro, qualquer um é ladrão!
Misturados com Stavisky, vão Dom Bosco e La Mignon,
Don Chicho e Napoleão, Carnera e San Martín.
Assim como na vitrine desrespeitosa
Dos brechós, se misturou a vida,
E ferido por uma espada, sem rebites
Se vê chorar a Bíblia contra um bandoleon.
Do século XX, brechó, problemático e febril
Quem não chora, não mama e quem não rouba é um tolo.
Da-lhe apenas, da-lhe que vai,
Que lá no forno, nós vamos encontrar!
Não penses mais, deixe de lado
Que ninguém se importa se você nasceu honrado!
Se é o mesmo quem trabalha
Dia e noite como um boi
Que quem vive das mulheres,
Que mata ou cura
Ou está fora da lei.