Kirov Ballet – Lago dos Cisnes

Quem está próximo a mim sabe que eu estou simplesmente ENCANTADA. Fui assistir ao espetáculo de balé da companhia russa Kirov, apresentando “O lago dos Cisnes”.

Aqui eu faço uma confissão: é meu primeiro ballet. Nunca tinha ido a um espetáculo como esse e estava com uma expectativa enorme!

Infelizmente, parece que o público jovem não valoriza muito este tipo de apresentação, então a maioria das pessoas que estavam lá já eram mais maduras.

Num primeiro momento fiquei surpresa com a faixa etária do público, mas no fim das contas isso não faz diferença nenhuma.

Abrem-se as cortinas.

Primeiro fiquei chocada com as habilidades dos bailarinos – tanto solistas quanto do corpo de baile-. Eles fazem coisas que, para mim, são sobre-humanas! Uma flexibilidade, habilidade, movimentos e sincronização que não são normais para os mortais – como eu-… Absolutamente estonteante.

É claro que não se espera pouco do balé russo, mas não tinha ideia de que eles eram tão phoda bons assim.

Não sei se todo mundo curte esse tipo de arte. Claro que tinha gente lá com cara de “estou aqui porque fui arrastado por minha esposa”, mas tinha gente como eu, que queria aproveitar a noite e curtir o espetáculo.

E valeu a pena demais!

Foi uma noite linda.

Um espetáculo de primeiríssima qualidade, bailarinos excelentes, figurino e cenário muito bem trabalhados, e a música penetrava na alma junto com a dança. (não disse que estou encantada?)

Algumas notas sobre o espetáculo:

A encenação contou com a música de Pyotr Tchaikovsky, libreto de Vladimir Begichev e Vasily Geltzer. O espetáculo foi apresentado com a coreografia original de Marius Petipa e Lev Ivanov, de 1895, e contou com a participação da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais.

O Lago dos Cisnes, com a música de Tchaikovsky, estreou em 4 de março de 1877 no Teatro Bolshoi de Moscou. A história se concentra na princesa Odette, transformada em cisne pelo bruxo Rohbart. À meia noite, ela e suas companheiras retomam a forma humana. Em uma destas ocasiões, Odette encontra e se apaixona pelo príncipe Siegfriend. A partir daí, a história se desenrola até o trágico final. Tchaikoskvy deu harmonia à narrativa e à dança, permitindo que a música estivesse intimamente ligada a todos os momentos da tragédia.

E deu vontade de ver de novo, viu!

O Ballet KIrov está em BH até hoje à noite. Para quem não viu, as bilheterias estão com os ingressos esgotados, mas vale a tentativa de conseguir algum lá na porta… (#sempretemcambista)

Recomendo muito.

E para quem não quer arriscar chegar lá e perder a viagem, achei um videozinho (meio antigo, infelizmente) para dar água na boca, ou um consolo para quem não pôde ir:

Anúncios

Sobre Thay Dias

Mineira de Belo Horizonte, advogada e cristã. Adoro moda, culinária, dança, livros, filmes e me interesso por política.

Publicado em 10/09/2011, em Cadeira de Arte e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: